Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Kirk-Douglas.jpg

 Kirk Douglas vai fazer 100 anos dentro de alguns meses e deixou-me espantado com o texto que escreveu para o Huffington Post.

Seria normal que um homem da sua idade revelasse uma enorme humanidade e demonstrasse a sua experiência.

O seu empenho e preocupação para com os dias que aí vêm são notáveis.

Mas a sensibilidade e a absoluta lucidez deste homem aos 99 anos é, provavelmente, inigualável.

Se quiserem sigam o link, se preferirem leiam aqui.

Mas leiam!

 

I am in my 100th year.  When I was born in 1916 in Amsterdam, New York, Woodrow Wilson was our president.

My parents, who could not speak or write English, were emigrants from Russia.  They were part of a wave of more than two million Jews that fled the Czar’s murderous pogroms at the beginning of the 20th Century.  They sought a better life for their family in a magical country where, they believed, the streets were literally paved with gold.

What they did not realize until after they arrived was that those beautiful words carved into the Statute of Liberty in New York Harbor: Give me your tired, your poor, your huddled masses, yearning to breathe free,” did not apply equally to all new Americans.  Russians, Poles, Italians, Irish and, particularly Catholics and Jews, felt the stigma of being treated as aliens, as foreigners who would never become “real Americans.”

 

They say there is nothing new under the sun.  Since I was born, our planet has traveled around it one hundred times.  With each orbit, I’ve watched our country and our world evolve in ways that would have been unimaginable to my parents – and continue to amaze me with each passing year.

In my lifetime, American women won the right to vote, and one is finally the candidate of a major political party. An Irish-American Catholic became president.  Perhaps, most incredibly, an African-American is our president today. 

The longer I’ve lived, the less I’ve been surprised by the inevitability of change, and how I’ve rejoiced that so many of the changes I’ve seen have been good.

Yet, I’ve also lived through the horrors of a Great Depression and two World Wars, the second of which was started by a man who promised that he would restore his country it to its former greatness.

I was 16 when that man came to power in 1933.  For almost a decade before his rise he was laughed at ― not taken seriously.  He was seen as a buffoon who couldn’t possibly deceive an educated, civilized population with his nationalistic, hateful rhetoric.

The “experts” dismissed him as a joke.  They were wrong.

A few weeks ago we heard words spoken in Arizona that my wife, Anne, who grew up in Germany, said chilled her to the bone.  They could also have been spoken in 1933:

“We also have to be honest about the fact that not everyone who seeks to join our country will be able to successfully assimilate. It is our right as a sovereign nation to choose immigrants that we think are the likeliest to thrive and flourish here…[including] new screening tests for all applicants that include an ideological certification to make sure that those we are admitting to our country share our values…”

These are not the American values that we fought in World War II to protect.

 

Until now, I believed I had finally seen everything under the sun.  But this was the kind of fear-mongering I have never before witnessed from a major U.S. presidential candidate in my lifetime. 

I have lived a long, good life. I will not be here to see the consequences if this evil takes root in our country.  But your children and mine will be.  And their children.  And their children’s children.

All of us still yearn to remain free. It is what we stand for as a country.  I have always been deeply proud to be an American. In the time I have left, I pray that will never change.  In our democracy, the decision to remain free is ours to make.

My 100th birthday is exactly one month and one day after the next presidential election. I’d like to celebrate it by blowing out the candles on my cake, then whistling “Happy Days Are Here Again.”

As my beloved friend Lauren Bacall once said, “You know how to whistle don’t you?  You just put your lips together and blow.”  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53

Pai.jpg

Se calhar mais valia não escrever nada e deixar a imagem falar por si.

Como os momentos no comments do Euronews.

Mas ainda assim, que o dia sirva para pensarmos nos filhos dos outros - que não têm a mesma sorte dos nossos.

E que sirva para pensarmos nos outros pais e mães deste mundo a quem custa tanto fazer os seus filhos sorrir porque viram o seu mundo a desmoronar e perderam tudo, incluindo a esperança.

Por eles, não percamos nós a nossa...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:15

Sexo divino

14.09.16

Deus_Adão-Eva_Family_Guy.jpg

Adoro quando alguém consegue misturar SEXO e DEUS numa ideia.

Em bom rigor não sei se me deva rir ou se seria mais prudente ter medo.

Nós rimo-nos dos loucos até ao momento em que eles ganham o poder de mexer nas nossas vidas...

Mas hoje li uma notícia particularmente fofa, digamos assim.

Um casal italiano criou um movimento que, não sendo original, é raro nos dias que correm:

Purex, o movimento que luta contra o sexo antes do casamento

Confesso que fico sempre espantado com esta redução da ideia de Deus a um mero contínuo, como se o Criador fosse afinal apenas uma espécie porteira, uma coscuvilheira cósmica que está à janela do universo a ver quem dorme com quem e se tem ou não papel passado (e a tirar apontamentos para ir tendo a coisa controlada).

Mas numa coisa este casal é honesto e assumem que tinham (as palavras são deles) uma vida de "sexo, drogas e rock'n'roll" até conhecerem "a luz divina" e perceberem que o caminho deveria ser o da pureza.

Pela minha parte vou seguir o seu Santo exemplo e recomendo-vos que façam o mesmo, sem hesitações:

Enquanto não vos aparecer a "luz divina", dediquem-se ao sexo, drogas e rock'n'roll.

Ou pelo menos tentem, caramba.

Estou convencido que, mesmo para os crentes, Deus é capaz de ter duas ou três coisas mais importantes com que se preocupar antes de ir espreitar para debaixo dos meus/vossos lençóis.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:02

paredes-fullframe.jpeg

Agora que a época festivaleira acabou, apetece-me partilhar uma história que aconteceu comigo e que ilustra bem como os festivais não são todos iguais.

 

Momento 1:

Em Fevereiro fiz uns contactos para ver se conseguia arranjar dormida em Paredes de Coura durante o festival, o que não é fácil.

Num turismo rural que já conheço disseram-me que não tinham vagas nessas datas, mas a irmã talvez pudesse ajudar caso aceitasse ceder quartos na sua casa particular.

Para tentar vender o meu peixe e convencer a senhora a ceder um quarto em sua casa, expliquei que somos um casal na casa dos 40, que não somos nenhuns miúdos bebedolas e barulhentos, e que connosco ficava mais descansada.

E a senhora disse-me que lhe era indiferente e deu-me a resposta típica dos Courenses: “a malta do festival é toda espetacular”.

Aparentemente nunca ninguém teve problemas com os visitantes, tenham eles 20, 30 ou 40 anos.

 

Momento 2:

Em Junho andei à procura de um sítio para passar uma semana de Agosto com a família na costa alentejana, e contactei um turismo rural em Odeceixe.

Disse-me o senhor que me atendeu que nem pensasse nisso, que até tinham quartos disponíveis, mas que não nos aconselhava de todo a ir com as crianças para aquela zona na semana do Sudoeste porque com o festival e os festivaleiros aquilo é insuportável.

 

Se num sítio não me aconselham a levar a família porque está perto de um festival, no outro dizem-me que ao festival só vem gente "espetacular".

 

Cada um vai para onde lhe apetece, consoante o ambiente e a música que por lá passa, e ainda bem que há eventos para todos os gostos.

Mas eu vou ficando fã de Paredes de Coura.

vdfpdc2014-copyright-hugo-lima-309.jpg

Ao contrário do Primavera Sound no Porto onde o público anda mais na casa dos 30 aos 50, em Peredes de Coura são quase todos miúdos (vê-se pelas caras deles, pelas t-shirts dos cursos, das semanas académicas, etc.)

Mas em Coura os miúdos não andam feitos parvos a gravar bocados de concertos no telemóvel infernizando a vida de quem está atrás deles.

Em Coura os miúdos não estão nas primeiras filas à conversa como quem está num bar, enervando quem está ali ao lado a querer ouvir o concerto.

Em Coura os miúdos cantam e tocam nas margens do rio durante o dia, e ensinam técnicas e canções a desconhecidos que lhes vão perguntar como é que se faz aquele acorde.

Em Coura os miúdos leem durante o dia, falam sobre livros e emprestam os jornais diários uns aos outros.

Em Coura os miúdos gostam de assistir a sessões de poesia e reagem com entusiasmo.

Em Coura os miúdos respeitam as miúdas e não se atropelam nas filas por causa de uma imperial.

Em Coura os miúdos bebem litros de cerveja à noite, mas também comem quilos de fruta durante o dia.

Na vila de Paredes de Coura as ruas enchem-se de esplanadas provisórias para satisfazerem o brutal aumento da procura, mas não há pré-pagamento porque os miúdos não fogem sem pagar.

Em Coura os miúdos respeitam-se uns aos outros e respeitam os artistas e a música que se está a ouvir.

Em Coura vejo bandos de miúdos e de miúdas a divertirem-se à sua maneira, e às vezes fico a pensar que gostava que os meus filhos também crescessem assim: livres, felizes e educados.

Os Courenses adoram o seu festival e os seus festivaleiros.

E eu também.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50

O Brasil de hoje

01.09.16

Desordem no Congresso.jpg

Infelizmente a América do Sul não tem sido pródiga em exemplos de democracias a funcionar normalmente.

Entre golpes de esquerda e de direita, tem havido ditadura a mais, populismo a mais e democracia a menos. Do Chile a Cuba, da Bolívia à Venezuela, da Argentina à Nicarágua, o continente tem sido assolado por projetos de poder violentos e/ou unipessoais.

O Brasil, pensávamos nós, tinha amadurecido a sua democracia apesar de todos os problemas de corrupção que minam a sua sociedade.

Mas o que agora aconteceu por lá é do domínio do sobrenatural – não se entende porque é impossível explicar.

Bem sei que muitos dos que por cá se exaltam contra a queda deste governo de esquerda, não se importam com os truques de outros aprendizes de ditadores que erguem o punho direito enquanto tentam dar a volta à constituição do seu País para se manterem no poder eternamente.

O Brasil não é, longe disso, o único País do mundo que está a ser dirigido por um bando de loucos.

Nada disso não me serve de consolo...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:02


O LIVRO

Capa_OK


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D