Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Yes we klan.jpg

Não estou com vontade de tecer grandes comentários sobre as eleições americanas.

À parte do sentimento de tristeza, desalento e ressaca, acho que já estamos todos um bocado intoxicados com análises e lugares comuns, e muito do que eu poderia escrever já terá sido escrito por outros...

Parece-me contudo que Donald Trump e Hillary Clinton eram dois péssimos candidatos que acabaram por ser os maiores aliados um do outro.

Se Hillary Clinton inspirasse o mínimo de confiança aos seus cidadãos, um monstro como Donald Trump nunca ganharia. A candidata deu-se ao luxo de perder Estados tradicionalmente democratas, mesmo com um opositor tão extremado, o que demonstra bem que pouca gente confia nela. Representa o “sistema” com todas as suas perversões e opacidades, e ontem os cidadãos votaram contra isso (como já o fizeram recentemente noutras democracias).

Sem uma candidata tão má quanto Hillary Clinton, Trump dificilmente ganhava.

Mas sem Trump, Hillary não tinha andado à frente das sondagens este tempo todo e teria perdido com muito mais estrondo. Se tantos eleitores democratas recusaram votar em Hillary mesmo contra Trump, imagine-se a derrota humilhante que teria acontecido se os republicanos tivessem apresentado um candidato mais ao centro...

 

Até para nosso António Guterres esta é uma péssima notícia: os EUA são o maior doador das Nações Unidas, e um Presidente Americano isolacionista representa uma ONU ainda menos eficaz.

 

Adiante, o mal está feito.

No meio da tragédia, só encontro um ponto de consolo: talvez a primeira mulher a ser Presidente dos EUA venha a ser (daqui a uns anos) Michelle Obama.

Eu gostava muito de ver uma mulher na presidência, mas uma mulher que apresentasse algo de novo, uma visão diferente para o mundo; não apenas um político profissional, como Hillary Clinton, igual aos outros mas de saias.

 

No meio desta ressaca, e para além das consequências das opções políticas de Trump nos próximos anos, há algo que de facto me causa apreensão.

Há dois acontecimentos marcantes neste ano de 2016: o Brexit e a eleição de Donald Trump.

A vontade manifestada pelos Ingleses de saírem da União Europeia que ajudaram a construir, e a eleição de um candidato fascizóide nos EUA, mostra que este mundo já não é aquele dos equilíbrios do pós-guerra em que eu nasci, em 1970.

Até a derrotada Alemanha está a ganhar um peso e uma arrogância que há uns anos atrás não tinha - não manda panzers para invadir países, mas envia diretivas para os controlar e anuncia-o públicamente.

O nosso mundo já não é o do pós II Guerra Mundial – é uma coisa em convulsão.

Parece que o mundo está a viver um terramoto, e ontem abanou bastante.

Não sei se devemos tremer de medo, mas temos que perceber que o nosso mundo está a tremer...

 

P.S. Há uns dias o Ku Klux Klan declarou o seu apoio a Donald Trump e o seu staff apressou-se a repudiar esse apoio.

Mas alguém se lembrou do mote Yes We Klan, e eu não resisti a fazer o boneco...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:01



O LIVRO

Capa_OK


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D