Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Moel-1.jpg

O Pinhal de Leiria deixou de existir.

Não me ocorreria metáfora mais grotesca para descrever este ano e a falência das nossas instituições.

Para os outros incêndios iam surgindo sempre explicações: donos negligentes, matas por limpar, território desordenado, interior desertificado, falta de cadastro florestal, micro propriedades , hectares com donos desconhecidos, donos que nem sabem que são proprietários florestais, condições meteorológicas adversas, acessos muito difíceis, etc.

E nós vamos assimilando essas justificações – elas fazem sentido.

Mas agora o Pinhal de Leiria deixou de existir.

O Pinhal de Leiria era muito mais do que um conjunto de árvores; aquilo não era uma mata, não era uma área florestal – era um monumento histórico, era património nacional.

Um projeto nacional com 700 anos, o primeiro e mais ambicioso projeto ecológico da nossa História: no século XIII foi mandado plantar um pinhal com o objectivo de travar o avanço das dunas, proteger a cidade de Leiria e os seus campos agrícolas. Esta ideia, visionária e revolucionária do séc. XIII, morreu ontem.

E não podia.

Eu sempre estive (mais ou menos) descansado em relação à segurança do Pinhal de Leiria.

Sabemos que o dono é o Estado, o dono tem meios ilimitados para o proteger, a região é habitada, não está abandonada nem desordenada, os acessos são bons, a zona é plana, enfim... era impossível que o Estado deixasse arder o Pinhal de Leiria.

Até ontem.

E é por isso que o fim anunciado do Pinhal de Leiria é tão grave.

Quando há um incendio em Mação ou Oleiros, é o Pais que arde.

Mas quando arde o Pinhal de Leiria, é o Estado que arde.

Já nem é uma questão de culpar ou demitir.

Ontem ardeu o Estado Português.

Ardeu o Governo e a Presidência, ardeu o Tribunal Constitucional e a Assembleia da República – o Estado Português deixou oficialmente de funcionar como se tivesse sido suspenso.

Ligamos a TV, vemos as notícias e parece que a realidade é virtual como se estivéssemos a ver uma série de ficção com imagens de um qualquer país em guerra.

Aquilo (isto) já não parece ser um País a sério.

Ontem deflagraram 523 incêndios. Como dizia um antigo Primeiro Ministro, é fazer as contas: são mais de 20 incêndios por hora - um novo incêndio a cada 3 minutos.

É claro que não há forma de combater uma monstruosidade destas; é irracional e insano. Não estou a desculpabilizar ninguém, longe disso, mas não sei se haverá algum País no mundo capaz de combater eficazmente um novo fogo florestal a cada 3 minutos.

E isso só reforça a ideia de descontrolo; parece que o Estado deixou de existir e estamos por nossa conta, cada um por si.

Ontem ardeu o Pinhal de Leiria.

Que é como quem diz, ontem ardeu o Estado Português.

E eu acho que o Estado Português nem sequer deu conta disso...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:30


O LIVRO

Capa_OK

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D