Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


thumbs.web.sapo.io.jpg

No passado dia 30 de Março aconteceu algo de histórico: o primeiro Sporting-Benfica em futebol feminino.

Muita gente deu conta do acontecimento porque o jogo, sendo solidário e tendo como objectivo recolher fundos para ajudar Moçambique, teve direito a uma boa promoção e a transmissão televisiva.

O resultado desta operação de promoção resultou num record de assistência: mais de 15.000 pessoas para assistirem a um jogo de futebol feminino.

Lá de casa fomos todos os 6, o preço dos bilhetes permitia-o, e nas bancadas o ambiente foi fantástico com famílias inteiras a viverem lado a lado a sua paixão pelo seu clube, sem receios nem animosidades.

E se é evidente que no desporto a este nível todos querem ganhar, tratava-se de um jogo amigável que era também uma enorme festa para o futebol feminino: aquelas atletas nunca tinham jogado num estádio com as bancadas tão compostas, com um ambiente de derby a sério e com direito a “directo” na TVI – era uma oportunidade rara para todas elas.

Mas é preciso dizer que os Clubes não tiveram a mesma visão de generosidade e de grandeza, e é com enorme orgulho que sinto que o meu Sporting ganhou em todos os capítulos: o desportivo e o moral.

Ao intervalo o Sporting fez 3 substituições tendo trocado de guarda-redes e saído a melhor jogadora da 1ª parte (Ana Borges). A meio da 2ª parte o Sporting fez mais 4 substituições de uma assentada permitindo que todas as jogadoras do banco vivessem aquele dia tão especial para a modalidade à qual dedicam as suas vidas.

O Sporting tinha feito 7 substituições e o Benfica nenhuma (acabou depois por fazer uma substituição já depois do penalti e mais duas no minuto '90).

O Sporting quis fazer do jogo uma festa do futebol feminino e oferecer um dia especial às suas jogadoras enquanto o Benfica quis ganhar de qualquer maneira mesmo que isso significasse privar as suas atletas da experiência de pisar aquele palco.

Todos sabemos que quando se fazem muitas substituições a equipa arrisca-se a ficar menos coesa, mais desligada entre si, mas também por termos assumido correr esse risco (em benefício da festa e das nossas jogadoras) soube ainda melhor ganhar o jogo.

O Sporting foi generoso e ganhou, o Benfica foi egoista e perdeu.

Fiz questão de explicar esse “pequeno” detalhe aos meus filhos.

No fim do jogo as taças entregues a cada equipa tinham o mesmo tamanho e nem sequer foi anunciado um “vencedor”: o apresentador limitou-se a anunciar a entrega do troféu ao Benfica e depois ao Sporting sem referencias ao resultado final, e a fotografia para a posteridade tem as jogadoras misturadas num ambiente de são convívio.

Para resumir diria que foi uma tarde especialmente bonita porque os 3 grandes de Lisboa se uniram por uma causa solidária (o Belenenses ofereceu o estádio) o futebol feminino deu mais um passo rumo à sua afirmação como desporto de massas e os meus filhos puderam assistir a um Sporting-Benfica num ambiente de rivalidade saudável e amistosa.

E no fim o Sporting ganhou tanto no desporto como na ética.

Que grande lição para os meus filhos...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:52


O LIVRO

Capa_OK

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D