Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Gulbenkian Star Wars.jpg

Há uns dias fui à Gulbenkian assistir ao filme/concerto em que exibiram o Império Contra-Ataca com a banda sonora a ser tocada ao vivo pela Orquestra Gulbenkian.

Tinha ganho dois bilhetes num passatempo e queria levar pelo menos 2 filhas ao espetáculo, mas como o concerto estava completamente esgotado não me restava outra alternativa que não fosse tentar uma oportunidade na candonga.

E foi com surpresa que verifiquei que todas as pessoas que estavam a vender bilhetes num site de compras em 2ª mão o estavam a fazer pelo seu valor facial.

Era um espetáculo esgotadíssimo com muita gente disposta a pagar para ir ver, mas nenhuma das pessoas que tinha bilhetes a mais quis fazer qualquer especulação com a preciosidade que tinha para venda.

Parece que os Gulbenkianos têm uma ética especial, ainda bem.

Foi graças a essa ética que consegui ir e levar as minhas filhas (senão tinha-lhes oferecido os meus convites e ficava cá fora tristíssimo).

O espetáculo foi maravilhoso, as miúdas adoraram, e a Força esteve connosco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:31

Dakar-triste (1).png

Há uma frase cruel mas verdadeira (atribuída ao Estaline) que nos diz que um milhão de mortes é uma estatística e uma morte singular é uma tragédia.

É por isso que uma morte como a do Paulo Gonçalves nos deixa tão consternados.

Ver desaparecer uma pessoa que nos habituámos a acompanhar com carinho há décadas (seja um desportista, um artista ou uma figura pública) deixa-nos sempre a sensação de que perdemos alguém, apesar de não a termos conhecido pessoalmente.

Mas há uma outra razão para esta tristeza.

Uma prova como o Dakar tem uma carga mística única que associamos a aventura, coragem, loucura e superação, e esse espírito explorador e aventureiro faz parte do ADN da humanidade.

De alguma forma, os aventureiros que fazem um Dakar ou outra prova com essas características, são descendentes diretos de outras gerações de aventureiros que ao longo dos séculos exploraram a terra, os mares ou o espaço, gente que foi aos polos, escalou montanhas ou atravessou regiões inóspitas.

É também por isso que quando vemos as imagens de uma mota no Dakar sentimos um apelo ao nosso lado aventureiro de que todos temos um pouco.

No fundo, com maior ou menor intensidade, todos já tivemos um momento em que nos apeteceu sermos nós a partir à aventura.

E é também por isso que aqueles pilotos não estão a correr só por si, estão também a representar-nos e a correr por nós.

Não me levem a mal a hipérbole mas, mal comparado, é um pouco como a pegada do Armstrong na lua que era apenas um pequeno passo para o homem mas um salto gigante para a humanidade; aquele homem não se representava só a si – representava toda a humanidade.

De cada vez que um piloto arranca na sua mota para mais uma etapa de um qualquer Dakar, também leva consigo um pouco dos sonhos e ambições de todos os que ficam em casa a torcer por eles.

É também por isso que a morte do Paulo Gonçalves nos toca tanto – é que na sua mochila não ia só a sua ambição, também ia um pouco dos nossos sonhos de aventura que nunca conseguimos realizar.

E com a sua morte morre também um pouco do nosso sonho...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15


O LIVRO

Capa_OK

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D