Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Chernobyl.png

Chernobyl é uma série belíssima.

Porque é irrepreensível do ponto de vista artístico e porque apresenta pela primeira vez ao grande público uma sequência trágica de acontecimentos que estava envolta em mistério.

Chernobyl é aterrador não apenas pelo risco das reações dos átomos (indiferentes a regimes ou religiões), mas sobretudo pela mistura explosiva entre nuclear e totalitarismo.

Acontece que Chernobyl não é “apenas” uma série sobre um desastre nuclear; é também um extraordinário retrato sobre o que é o comunismo (ou socialismo soviético ou o que lhe quiserem chamar), e sobre o que é viver num sistema assente na arbitrariedade, na prepotência e no medo.

Acabei de ver a série a poucos dias do nosso 25 de Novembro e por essa razão apeteceu-me evocar os que, naquele dia, arriscaram as suas carreiras e as suas vidas para que Portugal não se transformasse numa república popular de inspiração soviética.

Mas se neste dia costumamos recordar o papel decisivo de militares como Ramalho Eanes ou Jaime Neves, é também importante lembrar que os militares estavam respaldados por uma sociedade civil e por partidos políticos que tinham a mesma visão plural do mundo e da democracia.

Sobretudo nesta altura em que o PS está tão enleado em geringonças para se manter no poder que esqueceu o seu papel pioneiro na história da democracia portuguesa, importa recordar o PS corajoso de ’75, o PS de Mário Soares e do povo a encher a Alameda.

Há relativamente pouco tempo o meu pai contou-me que ele próprio chegou a trazer listas de militantes do PS para casa porque o receio de que a sede no Largo do Rato fosse tomada de assalto era real - ao fim do dia repartiam as folhas com os dados dos militantes por algumas pessoas de confiança que as levavam para casa, e assim não corriam o risco de ter as listas todas concentradas no mesmo local – porque se Portugal virasse mais à esquerda, quem estivesse naquelas listas estava em perigo.

Em minha casa as listas eram colocadas a forrar o balde do lixo (algo que na altura se costumava fazer com jornais antigos) na esperança de que se a casa fosse invadida talvez não fossem procurar ali.

Nem sei porque é que o meu pai levou 40 anos para me contar este episódio que só me deixa orgulhoso porque ele também lutou, também arriscou e estava do lado certo da História.

Hoje, 25 de Novembro de 2019, obrigado a todos os que em Novembro de ’75 fizeram cumprir Abril de ’74.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:28


2 comentários

Sem imagem de perfil

Anónimo a 26.11.2019

Nem mais!
E também amei a série :-)
Catarina (minderica)

Comentar post



O LIVRO

Capa_OK

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D